...minha escrita até pode ser autodidata,
mas está bem longe de ser autobiográfica...

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

EscadaS...


Letras perdidas

Palavras soltas

Silêncios infundados

Sorrisos à queima roupa

E quando a inspiração escorre

[Dorme]

A essência desperta

Quando um poeta se cala

Ouve a voz da própria alma

Tênue

Forte

Inquestionável

Colocando cada coisa em seu lugar

Achando o seu lugar em meio a tanta coisa

Degrau por degrau

Ele sobe e desce

Como se em pensamento pudesse chegar

Em algum lugar que já não estivesse




Maria Rita


8 comentários:

Mila Lopes disse...

Olá Maria Rita!

Encontrei seu espaço em blogs amigos, adorei!

Uma linda poesia, fico com estes versos:
"Quando um poeta se cala
Ouve a voz da própria alma"

Conheça meus espaços;

http://imagesandphrases.blogspot.com/

http://milallopes.blogspot.com/

Bjs

Mila

Guará Matos disse...

Viajo em meus pensamentos e estou em tantos lugares...
Bjs.

disse...

Silencios são necessários... mesmo não gostando deles.
Nessas horas olhamos com outros olhos lugares onde já estivemos.

Saudade de um café na companhia do nosso amigo sapo.

beijo!

Michele P. disse...

Lindooooooooo!

Bjs

Ana SS disse...

Belíssimo.
A alma procura o corpo, como se não pertencesse a ele. Esquece-se, só para poder passear.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

palavra que se perdem, voz que desaparece, resta apenas dois, como vc disse no despertar da essência do poeta

Paulo Francisco disse...

É mais que inspirador! é Lindo.

(Você esqueceu do terceiro elemento: o Fogo!)
Um grande beijo.

[ rod ] ® disse...

A essência somos nós fantasiados deste querer incompreendido.

Bjs moça!